19/09/2019

carros testados e avaliados

Beleza galera!

 

Nesta parte descrevo como foi a vida à bordo e detalhes muito curiosos de um carro que merece elogios, mas nem tantos.

 

AVALIAÇÃO

Espaço interno e porta-malas

Esta Mercedes série C entrega muito espaço e conforto aos ocupantes. Equipada com bancos em couro e com uma textura muito boa, acomoda bem qualquer pessoa de qualquer estatura. Obviamente tem um “porém”, que é o vão central muito elevado. Isso só não atrapalha caso você seja uma criança de até 10 anos.

Via de regra 4 adultos ficam bem confortáveis e com muito espaço para as pernas e em relação ao teto, afinal de contas não é a toa que esta banheira mede 1,8 metros de largura por 4,7 metros de comprimento.

 

Mercedes-Benz C180 – Espaço Interno

Mercedes-Benz C180 – Espaço Interno

 

Os bancos dianteiros tem regulagem elétrica, o que facilita muito os micros ajustes. Um ponto muito positivo é a regulagem de encosto de cabeça que tem dois tipos de ajustes facilitando encontrar a melhor posição de apoio de cabeça. Esta versão não tem ajuste de lombar nos bancos.

 

O porta-malas é suficiente por se tratar de um Sedan, mas ele tem um defeito de não ter uma boa altura (é raso). O porta-malas tem um porta-trecos oculto aonde normalmente iria um estepe. Isso aumenta a capacidade de armazenamento. Se comparar o porta-malas da Mercedes C180 com alguns sedan básicos de entrada nacionais, a Mercedes perde em termos de espaço.

 

A ergonomia na direção é um dos pontos fortes dessa barata! Você tem regulagens de coluna da direção tanto em altura quanto profundidade, e conciliado com os ajustes dos bancos, é fácil encontrar a melhor posição de dirigir.

O volante tem boa pega e com diâmetro ideal. Só se deve tomar cuidado com a regulagem de banco + coluna de direção para não ocultar a visualização dos instrumentos.

O único “porém” fica por conta do capô/frente ser muito alta, o que compromete um pouco a visibilidade principalmente em manobras, pois este carro não tem sensor de estacionamento dianteiro.

 

O painel de instrumentos é sóbrio, como toda banheira alemã. Têm conta-giros e velocímetros analógicos, marcador de combustível e temperatura digital, com as famigeradas “barrinhas”, que eu particularmente odeio.

Entre os mostradores analógicos há uma pequena tela em TFT (Thin Film Transistor), que é uma evolução do LCD (Liquid Crystal Display). Esta tela exibe praticamente todas as funcionalidades do carro, mas as principais são do computador de bordo com hodômetro (parcial e total), estatísticas de carga do motor, posição das marchas, etc.

 

A maior parte do acabamento do painel é emborrachada e com uma costura elegante, então para aquela galera que curte painel emborrachado é a situação ideal. Quem gosta de fazer críticas sobre os plásticos nos painéis dos nacionais, fique tranquilo que nesta Mercedes você pode ficar alisando e mordendo o painel, que não machuca os dentes… WTF?!?!?!?!

 

Os tapetes do carro são todos originais e do tipo carpete, com presilhas, então não escorregam. O tapete do motorista tem uma grande vantagem em relação os tapetes originais que conheço, pois sua extensão vai até abaixo dos pedais, e cobre inclusive o 3º pedal, ou base de descanso para o pé esquerdo. Normalmente esta área do 3º/4º pedal fica encardida porque os tapetes normalmente não o cobrem.

Eu particularmente prefiro os tapetes de borracha do Renault Sandero, pois são mais práticos de limpar e secar.

 

Como todo carro automático tem somente 2 pedais, mas o que mais chamou a atenção é o formato do pedal do acelerador, que parece uma imitação de Fusca 68! Talvez isso se deva a origem bávara de ambos! 😛

 

Os comandos de ventilação são acionados de duas formas:

1 – Por alguns botões no painel, que por sinal são totalmente fora dos padrões de veículos comercializados no Brasil.

2 – Pela central PlayStation Multimídia, mas isso tende a tirar a atenção da via e é perigoso!

No geral os comandos são práticos, mas confusos e lentos demais. A lentidão dos comandos do carro é uma coisa que irrita, e muito. Você aciona aumentar a velocidade da ventilação, e levam mais de 3 segundos para o sistema reagir. Você muda a circulação dos difusores, e demora um caminhão de tempo para ele reagir. Escolha uma opção errada e volte atrás no comando. Pronto! Está feita a meleka!

 

Mercedes-Benz C180 – Comandos Painel

 

Atrás do volante tem 3 alavancas: para comandos de seta, limpador de para brisas e piloto automático (cruise control). É possível contar também com as borboletas de acionamento manual de marchas para mais ou para menos.

O acionamento do limpador de para brisas é estranho e fora do padrão que conhecemos, pois é um botão do tipo “seletor” anexado aos comandos de seta. Normalmente ali se encontra o acendimento de faróis de alguns veículos.

 

Não bastasse esta particularidade, a alavanca que fica à direita do volante é para mudança de marchas do câmbio e acionamento dos freios de estacionamento (Drive, Neutral, Reverse e Parking). Totalmente fora dos padrões nacionais. Eu acionei o seletor de marchas por acidente umas 3 vezes, mas como estava com o carro em movimento nada aconteceu.

Estes comandos são confusos para um iniciante, então redobre muito a atenção quando andar nesta Mercedes.

 

Mercedes-Benz C180 – Comandos de seta – Direito

Mercedes-Benz C180 – Comandos de seta – Esquerdo

 

Em breve continuaremos com esta matéria recheada de conteúdo!

 

Grande abraço!
Eder Matias

 

Para quem perdeu a primeira parte da avaliação desta “Mercedona”, segue o link:

–> Avaliando Mercedes-Benz C 180 – Sedan 1.6 Turbo 2015/2016 – Exclusive – Parte 01

 

Eder Avalia

One thought on “Avaliando Mercedes-Benz C 180 – Sedan 1.6 Turbo 2015/2016 – Exclusive – Parte 02”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Arquivos

Nosso Feed